ANUNCIE AQUI
INSTITUCIONAL
Home
Ellianna Teixeira
Expediente
Eventos
Galeria de Fotos
Vídeos
Fale Conosco
 
EDIÇÕES DO JORNAL
Edições Anteriores
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Flash da Cidade
Internacionais
Nacionais
Regionais
  - Brazópolis
  - Itajubá
  - Maria da Fé
  - Pouso Alegre
  - Santa Rita do Sapucaí
 
CLASSIFICADOS
Bares
Contabilidade
Cursos
Diversos
Empresas
Farmácia
Flores
Fotografia
Frios
Hotéis
Imobiliárias
Informática
Lan House
Locação
Locadoras
Lojas
Presentes
Restaurantes
Serviços
Supermercados
Veículos
Veterinário
 
REDES SOCIAIS
     
DIVINO PAI ETERNO
PRECISA-SE DE VENDEDOR


O Jornal Informe e Ação está contratando vendedores para trabalhar na região do Sul de Minas.


Quer saber mais?
Entre em contato
(35) 8401-7500
(35) 8818-3391

ABRA SEU PRÓPRIO NEGÓCIO

A saúde do corpo e do bolso. Venha aprender como ficar jovem e aposentar cheio de dinheiro no bolso.

Quer saber mais?
Entre em contato
(35) 8401-7500
(35) 8818-3391

SUL DE MINAS
Itajubá
Marmelópolis
Cristina
Piranguinho
Delfim Moreira
Brazópolis
Paraisópolis
São Lourenço
Pedralva
São José do Alegre
Santa Rita do Sapucaí
Pouso Alegre
Maria da Fé
Piranguçú
Wenceslau Bráz
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS Regionais / Nacionais / Internacionais
 
As incógnitas eleitorais para 2018 08/11/2017
 
 
 
As incógnitas eleitorais para 2018

s narrativas tomam contam do debate sobre as eleições de 2018. Será um pleito polarizado entre os extremos, dizem uns. Surgirá um candidato de centro que afastará o risco. Um forasteiro tem mais chance, só alguém de fora poderá resgatar a credibilidade da política.
Quem sabe das coisas sabe que, a onze meses do pleito, não se sabe nada. A incerteza é grande. Qualquer um que diga o contrário o faz por interesse ou ingenuidade. Isso não impede, claro, que se especule. Nem que se discutam as principais incógnitas a respeito do cenário de 2018. Elas hoje giram basicamente em torno de quatro fatores:
O fator Lula – A valer a atual velocidade dos julgamentos, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) deverá emitir sua primeira sentença a respeito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por volta de abril, mês em que termina o prazo para registro das candidaturas. A Lei da Ficha Limpa é clara: uma vez condenado em segunda instância, Lula fica impedido de concorrer. Mas – e sempre há um mas – o PT pretende recorrer a liminares para obter o registro. Não dá para dizer o que acontecerá. Se um presidente não pode permanecer no cargo quando se torna réu, alguém poderia assumi-lo depois de condenado já na segunda instância? Por pura questão de lógica, claro que não. Mas a lógica jurídica costuma adotar caminhos mais tortuosos que o trivial modus ponens. Da lógica política, nem se fala. Para Lula, interessará criar a maior confusão possível em torno de sua candidatura no ano que vem. Ele aparece em primeiro lugar nas pesquisas, tem noção perfeita da força de seu nome e também da rejeição enfrentaria caso passasse ao segundo turno depois de condenado. O PT teria de escolher outro candidato para ter mais chance de vencer. Alguém que pudesse ser aceito pela classe média, perdida para o partido desde o Mensalão. Nomes não faltam – de Fernando Haddad a Jaques Wagner. Ainda assim, será uma luta difícil, sobretudo se prevalecer o discurso radical que atende apenas a parcela restrita do eleitorado. O PT já demonstrou, com a eleição do próprio Lula, que sabe correr para o centro quando precisa. O rosto da corrida eleitoral dependerá da decisão que o partido tomar.
O fator outsider – O candidato que aproveitou melhor o desmoronamento da credibilidade dos políticos foi Jair Bolsonaro, hoje em segundo lugar nas pesquisas. Deputado federal, ele não é exatamente um forasteiro, mas procurou construir sua imagem longe dos partidos convencionais. Sua campanha aposta na distância dos escândalos de corrupção e numa agenda de moralidade, lei e ordem. Bolsonaro enfrentará vários limitadores a seu crescimento. O primeiro é sua posição no espectro ideológico. A defesa implícita do regime militar, o elogio à tortura e o desprezo pelos direitos humanos tornam sua candidatura de difícil aceitação pelas elites, sem as quais ninguém governa. Para suprir sua confessada ignorância em economia e afastar a pecha nacionalista naturalmente associada aos militares, ele decidiu tomar um “banho de loja” de liberalismo. É óbvio, como ficou claro em sua viagem recente aos Estados Unidos, que é um idioma estrangeiro para ele. Por enquanto, sua candidatura é popular apenas entre as classes mais altas, sobretudo entre quem faz uso intensivo das redes sociais. Sem apoio de uma estrutura partidária robusta, ele terá tempo limitado na televisão, essencial para sua mensagem atingir o eleitorado mais pobre. Há, enfim, a dificuldade natural que todo discurso extremista enfrenta numa eleição em dois turnos. Para vencer, Bolsonaro também precisaria caminhar para o centro e, ao contrário do PT, jamais demonstrou saber fazer isso. Tais fragilidades levam muitos a apostar noutros forasteiros. O principal nome que circula é Luciano Huck, o apresentador de TV. Seu perfil condiz mais com a expectativa das elites. Mas, como candidato, Huck seria uma aventura ainda maior que Bolsonaro. Este ao menos é um deputado eleito, em pleno exercício do mandato. Tem discurso e programa. Sobretudo, conhece as regras invisíveis do universo político – até mesmo para violá-las e construir sua imagem pouco ortodoxa. Huck vem de um universo estranho à política, regido por leis até antagônicas a ela. Como o prefeito de São Paulo, João Doria, Huck parece acreditar que tudo se resolve por meio da imagem. Também como Doria, rapidamente transformado de outsider em insider, seu encanto poderá se revelar efêmero. Uma candidatura sem recheio nem sabor, cuja energia cintila brevemente no céu, depois some rápido como as luzes dos fogos de artifício.
O fator Lava Jato – Este ano marcou o desgaste da Operação Lava Jato. Depois do começo ameaçador, com a delação do fim do mundo da Odebrecht, os tropeços da Procuradoria-Geral da República abriram a brecha para a reação da classe política. O Termidor começou na libertação do ex-ministro José Dirceu, demonstrou sua força na absolvição da chapa Dilma/Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral e culminou na rejeição das duas denúncias contra o presidente Michel Temer pela Câmara dos Deputados. As últimas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) tornam menos apavorante o o bicho-papão que ameaçava devorar todos os partidos. No refluxo, voltam a emergir as candidaturas convencionais (como a do próprio Lula). Se a Lava Jato recuar ainda mais – sem troféus de relevo como foram Lula, José Dirceu e Antonio Palocci, Eduardo Cunha ou Temer –, o principal beneficiado será o governador paulista, Geraldo Alckmin. Discreto, político experiente e profissional, soube dar a corda necessária para Doria, seu pupilo tornado desafeto, se enforcar sozinho. Sua campanha se distanciaria dos extremos, Lula e Bolsonaro. As dificuldades estariam no desgaste do PSDB (provocado pela Lava Jato e pela associação ao governo Temer) e na ampliação do espaço para fora de São Paulo. Mas Alckmin conhece bem o tempo da política. "O cidadão só começa a pensar no candidato quando vai buscar o título de eleitor na gaveta, depois de 7 de setembro", costuma dizer.
O fator economia – A recuperação permitiu ao governo mais impopular na história do Brasil sonhar com candidato próprio, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Mas as chances dele são reduzidas, por ser menos conhecido que as alternativas no mesmo lado do espectro, como Alckmin, Huck ou Bolsonaro. Se a economia for o principal tema da eleição em vez da corrupção, o Brasil voltará a viver uma batalha em torno de ideias conhecidas: privatizações, reformas e programas sociais. Foi esse o embate essencial que opôs PT e PSDB nas últimas eleições. Não é impossível que o filme se repita.
 
Fonte: Redação
 
NOTÍCIAS ANTERIORES  
 
01/08/2017
INSS convoca milhares de segurados que não foram localizados para reavaliação de benefícios Governo está revisando a concessão de auxílio-doença e apos...
02/06/2017
Morte de Tim Lopes completa 15 anos Sete criminosos foram presos e condenados a até 28 anos de cadeia. Eventos lembrarão a memória do jornalista e a import...
08/05/2017
Uma esperança para a civilização Com 39 anos, Emmanuel Macron é o mais jovem líder francês desde Napoleão Bonaparte. Pela esperança trazida com sua v...
17/04/2017
Príncipe Harry revela que fez terapia para superar morte de sua mãe Ele contou ter passado 20 anos tentado evitar pensar na morte da princesa Diana. O irmão...
12/04/2017
Após expulsão, ex-BBB Marcos diz que nunca teve intenção de machucar Emilly Brother deixou o confinamento na segunda-feira (11) depois de ser verificada ag...
05/04/2017
Nº de mortes em "ataque químico" passa de 70 e ONU denuncia crimes de guerra na Síria Já a Rússia diz que aviação síria bombardeou arsenal de armas tó...
01/02/2017
"Na foto, o Brasil não está bem. Mas no filme está", diz presidente da Whirlpool, dona da Brastemp e Consul João Brega diz que Brasil perdeu posições no ...
01/02/2017
Medo do Aedes faz venda de repelente disparar e impulsiona novos negócios Vendas de repelentes no Brasil em volume saltaram 49% em 2016. Fabricante do Exposis...
16/12/2016
PF desarticula esquema de corrupção na cobrança de royalties de mineração Trezentos policiais federais cumpriram mandados em 11 estados e no DF; Justiça ...
16/12/2016
Corpo de Dom Paulo será sepultado nesta sexta na cripta da Catedral da Sé Arcebispo emérito estava internado com broncopneumonia desde 28 de novembro. Com 5...
+ NOTÍCIAS
ENTRETENIMENTOS  
 
Facebook
 
Twitter
 
G1
 
Portal Terra
 
Inter Ney
 
Dicas L
 
Gmail
 
Yahoo
 
Hotmail
 
Charges
 
Humor Tadela
 
Caixa
 
Correios
 
Google
 
Humor Babaca
 
Blog do Madeira
 
Uol
 
Ponto Frio
 
Globo Esporte
 
Skype
 
Kboing
 
Baixa Ki
 
Ricardo Eletro
 
Mercado Livre
 
Net Shoes
 
Extra
 
Portal R7
 
Jogos Menina
 
Buraco
 
VTO
 
Savetone
 
Paraiso
 
DestinoShow
 
Big Farm
 
One Piece
 
Dafiti
 
Passagens
 
Jogos Barbie
 
Jogos Mário
 
337 Jogos
 
Banco Brasil
 
Jogos Zumbis
 
Empire
 
OGame
 
Desert
 
1 vs 100
 
Ikariam
 
WarGame
 
FOE
 
Youtube
 
waiBrasil Publicidade
 
Par Perfeito
 
Linkedin
 
Jia
 
Ponto Frio
 
Americanas
 
Lojas Edmil
 
Casas Bahia
 
Magazine Luiza
 
Mattos Calçados
 
Casa joka
 
A Mineira
 
Casa América
 
 
 
Publicidade
 
Nossos Contatos
(35) 99956-1464 - VIVO
(35) 98818-3391 - OI
redacao@jornalinformeeacao.com.br
jornalistaellianna@jornalinformeeacao.com.br
contato@jornalinformeeacao.com.br
eliana.teixeira@gmail.com
2017 ® Marca Registrada para Agência de Comunicação E. M. Teixeira Ltda. Todos os direitos reservados.