ANUNCIE AQUI
INSTITUCIONAL
Home
Ellianna Teixeira
Expediente
Eventos
Galeria de Fotos
Vídeos
Fale Conosco
 
EDIÇÕES DO JORNAL
Edições Anteriores
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Flash da Cidade
Internacionais
Nacionais
Regionais
  - Brazópolis
  - Itajubá
  - Maria da Fé
  - Pouso Alegre
  - Santa Rita do Sapucaí
 
CLASSIFICADOS
Bares
Contabilidade
Cursos
Diversos
Empresas
Farmácia
Flores
Fotografia
Frios
Hotéis
Imobiliárias
Informática
Lan House
Locação
Locadoras
Lojas
Presentes
Restaurantes
Serviços
Supermercados
Veículos
Veterinário
 
REDES SOCIAIS
   
DIVINO PAI ETERNO
MÃOS ENSANGUENTADAS DE JESUS
PRECISA-SE DE VENDEDOR


O Jornal Informe e Ação está contratando vendedores para trabalhar na região do Sul de Minas.


Quer saber mais?
Entre em contato
(35) 99956-1464
(35) 98818-3391

ABRA SEU PRÓPRIO NEGÓCIO

Entre no site www.jornalitajuba.com.br

Quer saber mais?
Entre em contato
(35) 99956-1464
(35) 98818-3391

SUL DE MINAS
Itajubá
Marmelópolis
Cristina
Piranguinho
Delfim Moreira
Brazópolis
Paraisópolis
São Lourenço
Pedralva
São José do Alegre
Santa Rita do Sapucaí
Pouso Alegre
Maria da Fé
Piranguçú
Wenceslau Bráz
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
"Transformamos a história natural da Covid-19 com a vacina", diz novo presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia 13/01/2022
 
 
 
"Transformamos a história natural da Covid-19 com a vacina", diz novo presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia
Em entrevista ao g1, o infectologista Alberto Chebabo falou sobre a pandemia no Brasil, o trabalho da SBI nesse período, a importância das vacinas e a luta contra a desinformação.

Continuar informando a população com base em evidências científicas. Essa é uma das missões do novo presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Alberto Chebabo, que assume o posto nesta quinta-feira (13). O infectologista ficará à frente da SBI nos próximos dois anos e falou ao g1 sobre as prioridades da entidade, autoteste, vacinação infantil, fim da pandemia e fake news.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Fonte de informação confiável
Para Chebabo, a pandemia vem mudando a cada onda. Primeiro, a onda de muitas mortes. Depois, veio a delta, com a população parcialmente vacinada. Agora, a explosão de casos com a ômicron. A prioridade da SBI é continuar informando a população com dados baseados na ciência, e também atualizar as medidas, frente às mudanças de perfil da pandemia.

"A pandemia que vivemos hoje é completamente diferente de 2020 e 2021. Obviamente, as recomendações vão mudando, como a redução de tempo de isolamento. Teremos que aprender a conviver com o vírus, conforme ele vai se apresentando", diz Chebabo.
LEIA TAMBÉM:

ISOLAMENTO: 5, 7 ou 10 dias? Entenda as novas recomendações
TRANSMISSÃO: é possível punir quem espalha o vírus?
TESTE ANTÍGENO: por que você pode estar infectado mesmo se resultado for negativo?
Ele também lembrou que, nos próximos dois anos, a SBI vai voltar a informar sobre outras doenças infecciosas que ficaram "esquecidas" durante esse tempo de Covid-19. "Temos que nos reposicionar sobre outras doenças em relação às quais sempre tivemos atuação, como HIV, hepatite, arboviroses [dengue, chikungunya]. Essas doenças ficaram de lado e agora vemos o retorno delas. Estamos esperando um aumento no número de casos de arboviroses", completa Chebabo.

O combate à desinformação
Durante a pandemia, além do vírus, os especialistas precisam lidar com a desinformação. As chamadas "fake news" se proliferam rapidamente e as sociedades científicas estão a todo momento desmentindo os negacionistas.

"É sempre muito cansativo. Como conseguem inventar teorias tão absurdas e as pessoas acreditarem? Por outro lado, olha tudo o que conseguimos nesse período de pandemia. Mesmo com fake news, vemos uma adesão da população à vacinação de forma importante. Vimos também a adesão de adolescentes, quando houve esse ataque muito maior em relação à vacina, a população aderindo", diz o infectologista.

Ele lembra que o chamado "tratamento precoce", que usa medicamentos ineficazes contra a Covid-19, já ficou para trás.

"Teve um momento em que as pessoas acreditaram, usaram, mas agora ninguém mais fala em cloroquina, ivermectina. O tempo é capaz de separar o que é ruim, o que é lixo, o que não presta, do discurso baseado na ciência. A população não é idiota, ela entende" - Alberto Chebabo.
Para o infectologista, apesar de cansativo, o combate à desinformação vale a pena.

"Todas as pandemias tiveram fake news, mas no final lembramos daqueles que trilharam o caminho da ciência. No final das contas, a história faz o papel dela: separa os vendedores de ilusões de quem realmente está trilhando o caminho correto".

Vacinação das crianças
Infectologistas da SBI estiveram presentes na audiência pública convocada pelo Ministério da Saúde na última semana para discutir a vacinação infantil. Chebabo reforça que a entidade é a favor da imunização das crianças e que o trabalho em informar segue em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

"Qualquer processo de vacinação e combate a uma doença imunoprevenível é um processo de proteção coletiva. Quanto maior o número de vacinados, melhor é a resposta em termos de controle de epidemia, da doença. Quanto mais ampliarmos o número de pessoas imunes e vacinadas, menor será o espaço de circulação do vírus", explica o infectologista.

Apesar de o número de óbitos na população infantil parecer "pequeno" (menos de 400), ele lembra que são crianças que poderiam estar vivas. "Dizem "são poucas crianças", mas se for seu filho, é 100%. Sabemos que a vacina, além de reduzir mortalidade, reduz também outros eventos deletérios, Covid longa, alterações do sistema nervoso central, desenvolvimento, internações, traumas para as crianças. A vacina é segura, já está bem demonstrado de que não há riscos. A doença é muito mais grave do que qualquer evento adverso que a vacina possa causar", completa.

"Transformamos a história natural da Covid-19 com a vacina. Transformamos uma doença que era altamente letal, com uma taxa de letalidade importante, para uma doença cujo risco de morte é muito mais baixo em pessoas que se vacinaram corretamente", destaca Chebabo.
LEIA TAMBÉM:

VACINAÇÃO INFANTIL: Brasil recebe 1º lote da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos
PERGUNTAS E RESPOSTAS: como será a vacinação de crianças


Fim da pandemia?
O médico diz que é muito difícil fazer previsões sobre o fim da pandemia. Ainda veremos os impactos da Covid-19 na saúde nos próximos anos (sequelas da Covid longa, por exemplo). Além disso, muitos países seguem com cobertura vacinal baixa, o que aumenta o risco de novas variantes. No entanto, a tendência é que, daqui para a frente, vejamos ondas menos severas da doença.

"Desde o inicio, falamos que os impactos dessa pandemia iriam durar em torno de 2 até 5 anos. Mas a tendência é que, com essa quantidade de pessoas vacinadas e infectadas, a gente transforme a forma como a doença se apresenta, sendo mais leve. Teremos um menor impacto, mais social e não com óbitos. Essa é a esperança que a gente tem", explica o presidente da SBI.

Autotestes no Brasil
O Brasil está entre os países que menos testam no mundo. Para Chebabo, antes de pensar em autoteste, o país precisava ter uma política de testagem ampla, com o apoio do Ministério da Saúde.

"O autoteste é uma ferramenta que ajuda na questão do acompanhamento. A pessoa pode fazer o teste para saber se ainda está positiva, mas principalmente na prevenção. Ela pode se testar para poder evitar a transmissão. Mas vivemos em um país continental, com desigualdade muito grande e achar que o autoteste vai resolver o problema da pandemia no Brasil é não conhecer o país em que vivemos", alerta.
LEIA TAMBÉM:

COVID EM 2022: especialistas analisam o que esperar da pandemia
CHINA: lockdown repentino deixa jovem presa em casa de "date" no 1º encontro
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) precisa aprovar a liberação do autoteste no país, mas algumas perguntas precisam ser respondidas, na opinião de Chebabo: ele será gratuito? Será acessível? Ou só resolverá o problema da população de classes média e alta?

"Estamos usando o autoteste como se ele fosse resolver o problema de testagem no Brasil. Mas antes precisamos ter o acesso. Usamos pouco a rede básica de saúde, principalmente para a testagem. O Ministério da Saúde deveria comprar testes, implementar nos municípios. Esse foi o nosso grande erro, não investir numa estrutura de testagem ampliada, utilizando as UBSs e criando centros de testagem em algumas situações. É muito mais um problema de falta de investimento nos testes do que em estrutura", aponta.

 
Fonte: Redação JIA
 
NOTÍCIAS ANTERIORES  
 
01/08/2022
Você pode reconhecer a doença de Alzheimer por esses sintomas Em muitos casos, a demência está ligada à doença de Alzheimer. Não menos de uma em cada 14...
01/08/2022
Desde que começou a se espalhar fora da África, no início de maio deste ano, no maior surto já registrado, a varíola do macaco (monkeypox) não tem demonst...
01/08/2022
Boa tarde pessoal Na próxima terça-feira, por volta das 20 horas, será realizada uma Simulação de ataque na cidade de Piranguçu. Do bairro Boa Vista...
01/08/2022
Boa tarde pessoal Na próxima terça-feira, por volta das 20 horas, será realizada uma Simulação de ataque na cidade de Piranguçu. Do bairro Boa Vista...
01/08/2022
...
16/03/2022
Trabalho infantil: Justiça do Trabalho reconhece contrato de trabalho de 30 anos de trabalhador rural contratado quando era menor de idade A juíza Cláudia R...
16/03/2022
Guerra da Rússia: Quem poderia estar por trás dos pensamentos de Vladimir Putin Prof. Dr Fabiano de Abreu Agrela, em Portugal, comenta sobre o conceito eu...
17/01/2022
Média móvel nacional de novos casos conhecidos de Covid passa de 75 mil por dia, perto da pior marca da pandemia País tem 621.261 óbitos e 23.083.297 casos...
13/01/2022
Relatório da Human Rights Watch alerta para riscos de autocracias pelo mundo, mas aponta reação em defesa da democracia Organização de direitos humanos la...
13/01/2022
Explosão da ômicron - como ela mudou a pandemia O tsunami de infecções provocada pela nova variante registra, dia após dia, recorde no número de casos: ...
+ NOTÍCIAS
ENTRETENIMENTOS  
 
Facebook
 
Twitter
 
G1
 
Portal Terra
 
Inter Ney
 
Dicas L
 
Gmail
 
Yahoo
 
Hotmail
 
Charges
 
Humor Tadela
 
Caixa
 
Correios
 
Google
 
Humor Babaca
 
Blog do Madeira
 
Uol
 
Ponto Frio
 
Globo Esporte
 
Skype
 
Kboing
 
Baixa Ki
 
Ricardo Eletro
 
Mercado Livre
 
Net Shoes
 
Extra
 
Portal R7
 
Jogos Menina
 
Buraco
 
VTO
 
Savetone
 
Paraiso
 
DestinoShow
 
Big Farm
 
One Piece
 
Dafiti
 
Passagens
 
Jogos Barbie
 
Jogos Mário
 
337 Jogos
 
Banco Brasil
 
Jogos Zumbis
 
Empire
 
OGame
 
Desert
 
1 vs 100
 
Ikariam
 
WarGame
 
FOE
 
Youtube
 
waiBrasil Publicidade
 
Par Perfeito
 
Linkedin
 
Jia
 
Ponto Frio
 
Americanas
 
Lojas Edmil
 
Casas Bahia
 
Magazine Luiza
 
Mattos Calçados
 
Casa joka
 
A Mineira
 
Casa América
 
 
 
Publicidade
 
Nossos Contatos
(35) 99956-1464 - VIVO
(35) 98818-3391 - OI
redacao@jornalinformeeacao.com.br
jornalistaellianna@jornalinformeeacao.com.br
contato@jornalinformeeacao.com.br
eliana.teixeira@gmail.com
2022 ® Marca Registrada para Agência de Comunicação E. M. Teixeira Ltda. Todos os direitos reservados.